segunda-feira, 21 de março de 2011

"me deseja também uma coisa bem bonita"



Te desejo uma fé enorme, em qualquer coisa, não importa o quê, como aquela fé que a gente teve um dia, me deseja também uma coisa bem bonita, uma coisa qualquer maravilhosa, que me faça acreditar em tudo de novo, que nos faça acreditar em tudo outra vez.

CFA


É, querido leitor - e são queridos mesmo - eu desejo a vocês fé. Mas aviso que fé é um Dom, e não vem de qualquer lugar. É um dom divino crer naquilo que a gente não vê. Então, eu posso desejar a você que tenha. Mas ela não virá sobre você como uma tsunami de sensações. Espere sentado se pensar assim. Tem que esperar correndo, andando, fazendo, vivendo o dia-a-dia... é nas dificuldades que a gente persevera, e mostra à platéia que quem vai até o fim da corrida, ainda que a resposta seja negativa, é que é digno do prêmio.

Na verdade, eu ando meio sem fé. Meio é algo nem existe, mas deixa eu com as minhas burricizinhas macabras contra  a Gramática

Então, desejem-me coisas bem bonitas - e sabedoria pra lidar com elas!

Uma ótima semana a todos.

terça-feira, 1 de março de 2011

"Do teu coração me diz adeus uma criança"

Já não se encantarão os meus olhos nos teus olhos,
já não se adoçará junto a ti a minha dor.

Mas para onde vá levarei o teu olhar
e para onde caminhes levarás a minha dor.

Fui teu, foste minha. O que mais? Juntos fizemos
uma curva na rota por onde o amor passou.

Fui teu, foste minha. Tu serás daquele que te ame,
daquele que corte na tua chácara o que semeei eu.

Vou-me embora. Estou triste: mas sempre estou triste.
Venho dos teus braços. Não sei para onde vou.

...Do teu coração me diz adeus uma criança.
E eu lhe digo adeus.


Pablo Neruda