segunda-feira, 27 de dezembro de 2010

Arrumação.


A gente finge que arruma o guarda-roupa, arruma o quarto, arruma a bagunça.
Tira aquele tanto de coisa que não serve, porque ocupar espaço com coisas velhas não dá. 


As coisas novas querem entrar, tanta coisa bonita nas lojas por aí.
 

Mas a gente nunca tira tudo.
 

Sempre as esconde aqui, esconde ali, finge para si mesmo que ainda serve.
 

A gente sabe. Que tá curta, pequeno, apertado. É que a gente queria tanto. Tanto.
 

Acredito que arrumar a bagunça da vida é como arrumar a bagunça do quarto.
 

Tirar tudo, rever roupas e sapatos, experimentar e ver o que ainda serve, jogar fora algumas coisas, outras separar para doação. Isso pode servir melhor para outra pessoa.
 

Hora de deixar ir. 

Alguém precisa mais do que você. 
 
Se livrar. Deixar pra trás. Algumas coisas não servem mais. Você sabe. Chega
 
Porque guardar roupa velha dentro da gaveta é como ocupar o coração com alguém que não lhe serve. Perca de espaço, tempo, paciência e sentimento.

Tem tanta gente interessante por aí querendo entrar.
Deixa. 

Deixa entrar: na vida, no coração, na cabeça.

3 comentários:

Liliane disse...

Irmã, foi voce quem escreveu?
Que coisa linda! Aplica! =]

Mee Vincenzo disse...

Adoro muito ler o que você escreve amiga... tem coisas que machucam pela similaridade... parece que escreveu pra mim, a partir de mim, por mim. Adoro sempre. Pena que é pouco. Fosse um tanto mais e eu ficava mais feliz, menos reclamona.

Por um 2011 com mais postagens suas!!!

Cuide-se bem.

Erica disse...

O texto não é meu!
No dia , eu não consegui editar, é de um autor desconhecido!
Mas obrigada pelos comentários... Lili, vc também poderia, né? =P