domingo, 23 de dezembro de 2007

Quando um dia amanhece pra ser chato, ele o é, sem dó nem piedade. É impressionante a vontade de não fazer nada, só ficar "jiboiando" à frente de qualquer coisa que não tenha efetivamente que fazer. Penso que amnhã irei ao centro da cidade, ver alguma coisa pra se comprar. Afinal, é a época das grandes liquidações...
Veremos.

segunda-feira, 17 de dezembro de 2007

Declaração Universal dos Direitos da Mulherzinha que Habita em Todas Nós

Preâmbulo

Considerando que toda mulher, por mais moderna, independente, poderosa, aventureira, intelectual, corajosa, forte, audaciosa, etc, guarda dentro de si uma porção mulherzinha, aquela parte intrínseca que não tem medo de fazer bico, de verter lágrimas, de ser vaidosa e de ter chilique por pouca coisa, considerando que deixar transparecer, em público ou não, a porção mulherzinha. É uma ação que não deve ser encarada como amostra de fragilidade e, finalmente, considerando que toda mulher, menina, garota, senhora e demais variantes do sexo feminino têm o direito sagrado e constitucional de carregar e exibir sua porção mulherzinha quando, onde e como bem entender... Fica aqui proclamado a presente
Declaração Universal dos Direitos da Mulherzinha que Habita em Todas Nós.

Artigo I
Todas as mulheres nascem livres para fazer uso de sua porção mulherzinha da maneira e com a intensidade que desejarem, no momento que lhes for mais propício. Enquanto estiverem tomadas pela porção mulherzinha, elas não precisam, necessariamente, ter razão ou consciência de seus atos podendo, assim, usufruir desse direito com toda a liberdade possível.

Artigo II
Toda mulher tem capacidade para usufruir dos atos estabelecidos nesta Declaração sem distinção de qualquer espécie, seja de raça, cor, idade, peso, língua, religião, opinião política ou de outra natureza, origem nacional ou social, riqueza, nascimento, preferência de estilo de lingerie ou sabor de sorvete. Nenhuma mulher poderá sofrer retaliações por exibir sua porção mulherzinha, ainda que aquele seja o septuagésimo quinto ataque de mulherzisse no mesmo dia.

Artigo III
Do cabelo
I) Toda mulher tem o direito de chegar atrasada em compromissos caso seu cabelo tenha acordado com vida própria e não queira cooperar nem com o auxílio de produtos de fixação máxima;
II) Nenhuma mulher deverá ser privada de gastar o triplo do tempo normal na seção de produtos capilares do supermercado, nem de mudar de idéia sobre a marca da coloração já na fila do caixa;
III) Toda mulher tem o direito de ficar emburrada o resto do dia na eventualidade de chuva assim que ela deixar o cabeleireiro ostentando sua nova escova;
IV) Toda mulher tem o direito de fechar a cara caso o parceiro, companheiro, namorado ou marido não comentar com entusiasmo o fato de que ela clareou as madeixas em um tom e picotou as pontas.

Artigo IV
Toda mulher tem o direito de achar que a vida é injusta só porque notou um buraco na meia-calça ou um descascado no esmalte momentos antes do primeiro encontro com um pretendente.

Artigo V
Toda mulher, antes de qualquer evento social, tem o direito de experimentar cada uma das peças de roupas guardadas nos armários, dobradas nas gavetas, penduradas nos cabides, mais de uma vez, e em seguida começar a soluçar a interjeição "Eu não tenho o que vestir". Toda mulher tem o direito de exigir do parceiro, companheiro, namorado ou marido uma resposta positiva e sem hesitação à pergunta "Estou bonita?", da mesma forma que tem o direito de exigir do mesmo parceiro, companheiro, namorado ou marido uma resposta negativa e sem hesitação à pergunta "Fico gorda com esta saia?".

Artigo VI
Toda mulher tem o direito de pedir bebidas coloridas, doces e em copos enfeitados por pequenos guarda-chuvas de papel se assim desejar.

Artigo VII
Das tardes frias, chuvosas e solitárias
I) Toda mulher tem o direito de ligar para as amigas quantas vezes achar necessário, e prolongar a ligação o tempo que julgar ser o correto;
II) À mulher alguma será negado o direito de passar a tarde descabelada, usando uma camiseta puída e meias com calcanhares sujos, da mesma forma que toda mulher tem o direito de se produzir ainda que ninguém vá ver além dela própria;
III) Toda mulher tem o direito de se enrolar em uma manta, com uma panela de brigadeiro no colo, e assistir pela trigésima nona vez ao filme "Sintonia de Amor".

Artigo VIII
É resguardado à mulher o direito de não saber fazer conta quando o assunto é o número de bijuterias, bolsas e pares de sapato.

Artigo IX
Na eventual necessidade de fazer trabalhos domésticos, toda mulher tem o direito de sintonizar o aparelho de som no último volume e dublar músicas bregas usando o cabo da vassoura ou a embalagem de detergente. Caso haja alguma testemunha à cena, a mesma não poderá, sob circunstância alguma, usar tal fato para denegrir a imagem da mulher ou chantageá-la em situações futuras.

Artigo X
Toda mulher tem o direito de assistir anualmente ao tapete vermelho do Oscar só para falar mal dos vestidos, dos corpos e dos penteados das celebridades.

Artigo XI
Dos conflitos com o sexo masculino
I) Toda mulher tem o direito de ficar emburrada e/ou marcar uma saída com as amigas quando o parceiro, companheiro, namorado ou marido marcar uma partida de futebol em pleno sábado;
II) Toda mulher tem o direito de pedir que seu parceiro, companheiro, namorado ou marido abra a lata de palmito e mate a barata que se escondeu atrás da geladeira;
III) Toda mulher tem o direito de, quando carente, exigir cafunés, abraços e massagem nos ombros, exigência essa que não necessariamente significa que ela esteja querendo algo mais;
IV) Toda mulher tem o direito de pendurar a calcinha para secar no registro do chuveiro.

Artigo XII
Toda mulher tem o direito de sentir-se atraída pela palavra "liquidação" estampada nas vitrines das lojas, bem como pelas araras de remarcações, pelos bazares de marcas e pelas bacias de peças com pequenos defeitos. Toda mulher tem o direito de usar seu cartão de crédito como bem entender, sem precisar dar satisfação a terceiros.

Artigo XIII
É resguardado à mulher o direito de se achar linda em um dia, horrorosa em outro, linda novamente no seguinte, e assim sucessivamente.
Toda mulher tem o direito de não fazer sentido.

(lembrando que é de um autor que não conheço, mas que, com certeza, soube o que escrever. Obrigada, irmã!)

sábado, 17 de novembro de 2007

Sobre as luzes do passado

Interior de Capela - Rochamps, França, Le Corbusier.
“... os estados de ânimo criados pelas horas do dia e pelas estações do ano ajudam a evocar o que o espaço pode ser" - Louis I. Kahn.

Posso não crer que Deus esteja preso entre quatro paredes - isto pra mim é fato incontestável. No entanto, as formas que algumas pessoas [alguns pequenos mestres da arquitetura] expressaram suas idéias a respeito da espiritualidade e o ambiente no qual esta deveria ocorrer, me deixam encantada. E, mais que isso, como conseguiram fazer de uma simples abertura de iluminação uma obra de arte em três dimensões, da qual você pode fazer parte? 
 
É, tinha tempo que não vinha o meu próprio labirinto. Espero não estar perdida... E, pelas luzes deixadas por outros, é certeza que não..

domingo, 7 de outubro de 2007

Procura-se um Amigo

Não precisa ser homem, basta ser humano, basta ter sentimentos, basta ter coração.
Precisa saber falar e calar, sobretudo saber ouvir.

Tem que gostar de poesia, de madrugada, de pássaro, de sol, da lua, do canto, dos ventos e das canções da brisa.

Deve ter amor, um grande amor por alguém, ou então sentir falta de não ter esse amor.

Deve amar o próximo e respeitar a dor que os passantes levam consigo. Deve guardar segredo sem se sacrificar.

Não é preciso que seja de primeira mão, nem é imprescindível que seja de segunda mão.

Pode já ter sido enganado, pois todos os amigos são enganados.

Não é preciso que seja puro, nem que seja todo impuro, mas não deve ser vulgar.

Deve ter um ideal e medo de perdê-lo e, no caso de assim não ser, deve sentir o grande vácuo que isso deixa.

Tem que ter ressonâncias humanas, seu principal objectivo deve ser o de amigo.

Deve sentir pena das pessoa tristes e compreender o imenso vazio dos solitários.
Deve gostar de crianças e lastimar as que não puderam nascer.
Procura-se um amigo para gostar dos mesmos gostos, que se comova, quando chamado de amigo.

Que saiba conversar de coisas simples, de orvalhos, de grandes chuvas e das recordações de infância. Precisa-se de um amigo para não se enlouquecer, para contar o que se viu de belo e triste durante o dia, dos anseios e das realizações, dos sonhos e da realidade.
Deve gostar de ruas desertas, de poças de água e de caminhos molhados, de beira de estrada, de mato depois da chuva, de se deitar no capim.

Precisa-se de um amigo que diga que vale a pena viver, não porque a vida é bela, mas porque já se tem um amigo.
Precisa-se de um amigo para se parar de chorar.
Para não se viver debruçado no passado em busca de memórias perdidas. Que nos bata nos ombros sorrindo ou chorando, mas que nos chame de amigo, para ter-se a consciência de que ainda se vive."

- Vinícius de Morais

Em vários momentos, tudo que precisamos. em vários momentos, tudo que nos falta.

quarta-feira, 3 de outubro de 2007

Eu confesso...


Como andava sem inspiração pra escrever, eu estou deixando uma resposta que dei a um jogo intitulado "eu confesso".

Confesso que amo música.

Confesso que já chorei por “amor”.

Eu confesso que adoro ficar no pc.

Eu confesso que adoro ser mulher.

Eu confesso que amo a minha família demais

Eu confesso que amo Jesus.

Eu confesso que choro por tudo

Eu confesso que experimentei cerveja [e detestei.. argh!]

Eu confesso que fui traída

Eu confesso que já tive dias melhores.

Eu confesso que já tive vontade de sumir de casa

Eu confesso que já tomei um porre...

Eu confesso que larguei a faculdade

Eu confesso que menti.

Eu confesso que sou perfeccionista e cobro demais de mim mesma [e dos outros, por conseguinte...].

Eu confesso que não controlo minha língua ferina se estiver magoada

Eu confesso que ando com pensamentos mais impuros que antes

Eu confesso que estou abaixo do meu peso.

Eu confesso que não gosto de beterraba;

Eu confesso que não gosto de discutir, mas odeio que contestem meus argumentos

Eu confesso que não gosto de fazer a sobrancelha.

Eu confesso que não gosto de sair de casa

Eu confesso que não queria fazer outro vestibular.

Eu confesso que não sei andar de bicicleta

Eu confesso que não sou uma boa amiga

Eu confesso que odeio bajulação em troca de algo

Eu confesso que queria ser mais útil em casa

Eu confesso que sou estressada

Eu confesso que sou orgulhosa

Eu confesso que sou preguiçosa.

Eu confesso que sou protestante.

Eu confesso que sou sensível

Eu confesso que sou teimosa.

Eu confesso que sou tímida.

Eu confesso ainda que sou manhosa, dengosa e mimada.

Eu confesso que sou virgem, com ascendente em leão... rs

Eu confesso que subi em árvores

Eu confesso que tenho realmente vergonha de confessar algumas coisas.

Eu confesso que tenho tpm [e me curei dela.]

Eu confesso que estou morrendo de sono.




E confesso que queria ter escrito algo mais útil...

quinta-feira, 20 de setembro de 2007

Escolhas

Se a mulher que hoje é minha mãe não tivesse aceitado o convite de outra, que hoje é minha tia, talvez jamais tivesse conhecido o homem que veio a ser meu pai... Caso papai não tivesse se casado com mamãe, eu não teria nascido...

Quando chego a esta época do ano, eu me pego pensando nas escolhas que fiz, e nas que tenho que fazer todos os dias... Cada uma delas indicando um novo rumo em determinado assunto... Eu enfraqueço um pouco... Porque nem tudo saiu do jeito que eu planejei... Porque tudo saiu às avessas... Porque eu me recusei a crescer algumas vezes... Porque eu não quis correr atrás... Outras vezes, a escolha não foi a melhor por justamente correr atrás... E continuo tendo de escolher...

Eita, difícil esta vida de escolhas!

Eu estou entre aquilo que sinto que preciso fazer e aquilo que não quero fazer, e isso está partindo o meu coração.” [adaptado]

O fato de não escolher em si mesmo já é uma escolha, então, é melhor que eu não me abstenha, e tenha coragem de errar de novo, se for o caso... Mas que dói, dói, e não nego isso. Não mesmo. Pessoas crescem por ser parte do desenvolvimento, outras... Porque caem do coqueiro de ilusões que criaram...

Sei de onde me vem movimento. Mas não sei pra onde este movimento me levará... Espero que eu consiga ajustar as velas pra direção tranqüila desta vez...

sábado, 8 de setembro de 2007

Iniciando aqui...

O que eu estou segurando com minhas mãos são gotas de tempo...Suavemente, eu as seguro...
Estas recordações esquecidas e as palavras perdidas...


Começar é sempre estranho pra mim. Comecei me perdendo nos blogs de amigas, e pulava de um pra outro, sempre "querendo” fazer um e nunca "tentando” fazer...

Bom, não posso negar que pelo menos tentei. [clichê...]

Hoje, então, eu me enchi de coragem pra começar... Como eu já estava com o nome do blog há tempo na cabeça, uma música veio incontinente à minha mente, e deixei uns versos traduzidos dela... Não estão ao pé da letra, mas o que elas significaram pra mim.

Voltando ao começo... ou terminando, que eu possa encontrar palavras para perder-me em minhas divagações e fazer encontrar a quem interessar possa [nossa, viajei agora...]

Acho que é isto...

Até...